Você sabia que o mês de julho de 2018 é o prazo final para realizar transações comerciais em boletos não registrados? Pois é, a partir da data, todas as emissões dos documentos precisam ser informados à instituição financeira. O processo é um pouco mais complexo do que o atual, mas o fim do boleto sem registro também vai oferecer alguns benefícios.

Se quer entender o que muda na rotina de uma empresa com o fim do boleto sem registro, quais as vantagens da nova modalidade e quais os desafios que as empresas enfrentam com a mudança, leia a seguir algumas dicas que separamos para você. Boa leitura.

O que muda com o fim do boleto sem registro?

De maneira geral, o processo de emissão de boletos se torna um pouco mais trabalhoso. A empresa que realiza a emissão precisa efetuar o registro do documento antes que o consumidor finalize o pagamento.

Os dados cadastrais (nome, endereço, CPF ou CNPJ) do pagador da compra precisam estar preenchidos corretamente e na íntegra. É responsabilidade do vendedor coletar essas informações.

Após preenchê-las, o boleto pode ser enviado ao banco por arquivo de remessa. Será permitido efetuar o pagamento em qualquer agência bancária mesmo quando o documento estiver com o prazo vencido.

Com a nova prática, também é preciso ficar atento aos seguintes pontos:

  • Existe a possibilidade do banco aplicar taxas extras nas operações com boleto;
  • Estornos serão realizados automaticamente em caso de informações erradas;
  • Qualquer alteração no boleto precisa ser registrada no banco, por meio de um arquivo de remessa.

Quais são as vantagens do boleto com registro?

O registro do boleto foi desenvolvido para assegurar mais segurança, permitindo que as operações financeiras realizadas desta forma sejam rastreáveis. Assim, quando o boleto é lançado, um arquivo digital com todos os dados do pagador é encaminhado para o banco em que o valor será abatido.

Dessa forma, a transação de compra e venda fica registrada em um documento oficial. Entre os benefícios que esse controle oferece estão:

  • Diminuição das fraudes;
  • Viabilidade de protesto em cartório do consumidor inadimplente;
  • Maior facilidade para a empresa identificar pagamentos.

Quais os desafios para as empresas?

A necessidade de registrar o boleto aumentará, inevitavelmente, as despesas operacionais dos bancos. Esse valor será repassado às empresas por meio de taxas. Nesse cenário, os pequenos negócios serão os mais prejudicados, uma vez que não conseguem negociar tarifas menores com as instituições financeiras.

solução recomendada para diminuir despesas decorrentes do registro é utilizar sistemas como o Bling. A ferramenta de gestão financeira online atua em parceria com o Moip e efetua a emissão de boletos registrados por um valor mais acessível, fixado em R$ 2,29.

Como você pôde observar, o fim do boleto sem registro promete trazer mais segurança às transações, diminuindo as fraudes e inadimplências, pois oferece às empresas o registro oficial da compra por meio da apresentação do boleto. Para evitar o aumento das despesas em transações bancárias, a saída para pequenas e médias empresas é recorrer a sistemas que emitam o boleto com registro.

Gostou do post? Quer emitir boletos bancários com registro com mais segurança para sua empresa? Então, aprenda mais com esse tour sobre registro de boletos bancários. Até a próxima!

Posts Relacionados

2 Comentários

  1. José Antônio Silva Ferreira Braga

    09/04/2018 at 20:47

    Eu não sabia desta nova regra. Parabéns por nos manter informado.

    1. Bling

      Bling

      10/04/2018 at 10:45

      Nós que agradecemos o comentário, José!

      Aproveita para conhecer a nossa parceria com o Moip para emissão de boletos, com preço fixo de R$2,29: http://blog.bling.com.br/boleto-com-registro

      Abraços da equipe Bling e sucesso nos negócios! 😉

Deixe um comentário