O código de barras já faz parte do dia a dia de todas as pessoas. Ele está presente na hora de pagar os boletos, de comprar um presente, vender o seu produto, conferir um documento e outras tantas possibilidades.

Por isso, se você empreendedor vende seu produto através de uma loja física ou online, saiba que é extremamente importante que você saiba como gerar códigos de barras e como isso pode elevar o seu negócio. 

É preciso estar ciente que o código de barras é essencial para a legalização de um item. E além disso, ele é obrigatório para emissão de notas fiscais. Logo, se você possuir um marketplace, por exemplo, será exigido o código de barras na hora de fazer a sua integração com a plataforma. 

O que é o código de barras?

Por isso, antes de mais nada, é preciso entender melhor o que é código de barras. Ele é uma identidade formada por uma representação gráfica de números e letras produzidos através de desenhos de barras verticais de diferentes espessuras.

Dessa forma, esse formato é utilizado  através de um leitor específico que, após captar a imagem, consegue conferir os números e letras presentes no código de barras.   

Para que serve o código de barras?

E afinal, para que serve o código de barras? Ele tem como objetivo identificar produtos e/ou serviços, com um código único e padronizado, gerando segurança para a realização de compras e vendas. 

Além disso, o código de barras também serve como forma de agilizar processos e consequentemente, gerar um controle maior da sua gestão, principalmente para quem realiza vendas e precisa controlar o estoque, por exemplo.

Como posso utilizar o código de barras?

É importante ficar atento aos formatos de código de barras disponíveis no mercado. Atualmente temos diferentes modelos, e cada um serve para uma determinada função.

Os modelos mais utilizados são os códigos EAN-13 (ou GTIN-13), destinados aos produtos de varejo. Existem também outras opções que você pode conferir a seguir: 

Conheça os modelos de código de barras

Existem modelos mais tradicionais e mais modernos, como um QRCODE que pode ser lido através de um celular, por exemplo. 

Por isso, é preciso ficar atento às suas características, pois para cada tipo de função e objetivo existe um formato de códigos de barras a se utilizar. 

  • EAN: O mais utilizado entre os códigos, o EAN (Número Europeu do Artigo) é universal e em sua maioria composto por 13 dígitos. É utilizado frequentemente para leitura no ponto de venda (PDV) por ter uma leitura mais ágil e também armazena informações únicas sobre numeração, unidade ou lote.
  • UPC: Esse modelo, assim como o EAN, é mais utilizado na identificação de mercadorias, principalmente internacionais, sendo aceito por toda a América do Norte. Ele não é a melhor opção para se utilizar no Brasil, mas quem deseja realizar exportação de produtos para EUA e Canadá pode considerá-lo.
  • DataBar: O código Databar se assemelha aos códigos anteriores por também ser utilizado para venda, porém aconselha-se utilizá-lo para mercadorias de pequeno porte por ele ter um tamanho reduzido. Na maioria das vezes é usado em produtos alimentícios ou em cosméticos, por possuir capacidade de armazenar dados sobre lote e prazo de validade. 
  • GS1-128: esse formato de código tem sua utilidade maior em transporte e logística do setor de saúde. Através dele é possível saber a localização da mercadoria dentro da cadeia logística. Também contém informações de data de validade, números de lote e séries. 
  • ITF-14: para operações logísticas utiliza-se o ITF-14, pois ele é capaz de armazenar dados sobre localização e rasteiros utilizados para processos internos da empresa. E ainda é possível ser impresso diretamente em caixas de papelão.
  • QR Code: o QRCode vem ganhando grande visibilidade nos últimos anos, já que foi criado para ser utilizado por smartphones e/ou outros dispositivos móveis. Através dele é possível armazenar uma quantidade maior de informações. É muito utilizado para levar o consumidor para a página do produto, um cardápio e outros canais de informação sobre o negócio.
  • DataMatrix: o DataMatrix é semelhante ao QRcode, mas tem uma utilização maior na área da saúde por ser possível rastrear e dar mais confiabilidade a informações.

Agora que você já conferiu quais são as opções de códigos de barras disponíveis no mercado, chegou a hora de aprender como criar o seu próprio código de barras.

5 passo a passo de como gerar o código de barra

Para te ajudar a gerar um código de barras e identificar o seu produto/serviço separamos um passo a passo com cinco etapas que facilitarão o seu aprendizado.

  1. Cadastre-se na Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil)

Primeiramente, para começar a criar o seu código de barras, será preciso se cadastrar no site do GS1 Brasil, que é responsável por licenciar essa identificação para produtos em todo o território nacional. 

Para realizar o licenciamento a GS1 é preciso preencher os dados da sua empresa, enviar os documentos necessários e pagar o boleto do serviço. Pronto, depois é só aguardar a aprovação. Você receberá o CNP (Cadastro Nacional de Produtos) que será utilizado para informar os dados necessários sobre seus produtos e dessa forma gerar o código de barras. 

  1. Escolha o modelo de código de barras

Depois de conseguir a licença da GS1 assim como o CNP, você já pode começar a escolher os formatos de códigos de barras que serão utilizados. 

Vimos anteriormente que existem opções específicas para diferentes tipos de serviços, por exemplo: se você tem um comércio físico ou um e-commerce, o ideal é utilizar o formato EAN. Porém, se você tiver um comércio alimentício, como um hortifruti, o ideal será utilizar o código databar. 

  1. Atribua o código ao produto

Depois de escolher o formato do seu código de barras, você precisaŕa atribuí-los ao seu produto.  Lembre-se que ao se cadastrar no GS1 a sua empresa criou um prefixo único referente a ela. 

Por isso, acrescente o prefixo da sua empresa em todas as suas mercadorias, mas não esqueça que é preciso diferenciar o código pois, como já mencionamos, um código de barras é uma identidade única. Ou seja, atente-se para a diferenciação de nomes, cores, tamanhos e diferentes outras características que diferenciam os produtos entre si.

  1. Não esqueça da sequência numérica no código de barras

Após todo esse processo, não esqueça de atribuir a sequência numérica ao seu código de barras. 

Escolha a posição acima ou abaixo do código para que, em casos de problemas com a leitura gráfica, você consiga conferir e utilizar a sequência do código de barras em número.

  1. Siga os padrões para códigos impressos

Por último, se você for gerar códigos para produtos físicos, não esqueça de seguir os padrões de tamanhos e cores exigidos.

Por exemplo, as dimensões dos espaços entre duas barras são pré-estabelecidas, podendo variar entre 0,26mm e 0,66mm, e também determina a altura do código de barras. 

Já em alguns modelos as especificações de altura e largura são fixas. Para o EAN, por exemplo, o tamanho é de 37,3 mm de largura x 25,9 mm de altura, podendo ser redimensionado para, no mínimo, 80% e, no máximo, 200%.

Atente-se também às cores utilizadas para a impressão do seu código de barras. O ideal é manter o padrão de número e barras pretas com fundo branco, mas quando for necessário aplicar em um fundo colorido é importante mantr as cores e números em tom escuro, fundo claro e em uma cor lisa sem desenho ou texturas e ainda, recomenda-se evitar o uso da cor vermelho, já que alguns leitores utilizam esse tom de cor para escanear o código.

Como gerar código de barras grátis

Se você está se perguntando se para gerar qualquer tipo de código de barras será preciso algum tipo de ferramenta, a resposta é: não. Você consegue realizar essa tarefa de forma gratuita através do seu computador ou telefone.

O processo é simples, é só acessar um site que seja gerador de código de barras ou de barcode. O site invertexto é um exemplo de canal que realiza a criação de códigos de barras, o processo é simples: é só acessar o site, selecionar o modelo do código que deseja, formatá-lo e depois escrever as informações que precisa que ele contenha.

Existem ainda aplicativos para celulares que facilitam a leitura de códigos como QRcode, por exemplo, e ainda possibilitam a criação de alguns modelos de códigos de barras.

Conclusão

Agora que você já aprendeu como gerar um código de barras e todos os fatores referentes a esse processo, já pode começar a aplicar no seu negócio.

Lembre-se que o código de barras é extremamente importante para dar uma identidade ao seu produto ou serviço, seja ele físico ou digital. Além disso, é utilizado para facilitar os processos dentro do seu negócio.