Você conhece o Global Trade Item Number, conhecido como GTIN? Ele é a parte numérica que, acompanhado da barra, forma o código de barras. No post de hoje, você irá saber tudo o que precisa sobre este identificador comercial. Compreender como é a sua estrutura básica e descobrir como ele é desenvolvido para identificar diferentes produtos e serviços que serão comercializados. Você também irá compreender os benefícios. Os tipos de produtos e quais são as vantagens para o comerciante ao aderir a este tipo de codificação.

SAIBA COMO ECONOMIZAR NA EMISSÃO DE BOLETOS COM REGISTRO

O que é o GTIN?

O GTIN foi desenvolvido e é controlado pela GS1, antiga EAN/UCC. Pode ser descrito como um identificador para produtos. Uma chave global que identifica um determinado item comercial que precisa ser precificado. Requisitado ou faturado, o GTIN pode identificar o item em qualquer momento em que ele aparecer na cadeia de suprimentos.

Depois que você determina um determinado GTIN para um produto, ele jamais poderá ser alterado ou utilizado em outro item.

Para que serve o GTIN?

Ele é utilizado para a recuperação de informações que já haviam sido previamente definidas e que irão abranger todo o processo produtivo, indo, assim, desde a matéria-prima até o produto acabado. A utilização da sigla serve para descrever uma “família” ou, ainda, um grande código de identificação das estruturas de dados da GS1. Tanto para mercadorias quanto para serviços.

Essa estrutura de dados pode ter diferentes tamanhos, começando com oito, passando pelo doze, treze e indo até catorze dígitos. Que poderão ser utilizados de acordo com a aplicação a que se referem. De acordo com a Secretaria da Fazenda de São Paulo, “o GTIN-8 é codificado no código de barras EAN-8. O GTIN-12 é mais comumente utilizado no código de barras UPC-A, o GTIN-13 é codificado no EAN-13 e o GTIN-14, no ITF-14.”

Como fazer a identificação dos produtos

A identificação de produtos com o código começa com a utilização do código GS1 que foi atribuído a sua empresa pela GS1 Brasil. Por exemplo, em um código GS1 formado por treze dígitos, os nove primeiros dígitos serão relativos ao prefixo GS1 que foi definido para aquela determinada empresa.

Posteriormente, são adicionados três dígitos referentes à atribuição pelo detentor da marca dos produtos que estão sendo comercializados. Eles poderão variar entre dois a cinco dígitos. Dependendo da estrutura do código de barras. Por fim, com base no Cadastro Nacional de Produtos, será calculado o dígito verificador. Após esses passos, é criado um Número Global do Item Comercial, o GTIN.

Lembre-se que o código jamais poderá ser alterado. Portanto, todo o processo de criação e gerenciamento dos GTINs de seus produtos é de extrema importância.

Quais as vantagens de utilização do GTIN?

Como você pode perceber, a utilização automatiza todos os processos envolvendo produtos e serviços. É possível controlar de forma automática todo o recebimento, processo de estoque, conferência de notas e também a questão da rastreabilidade do que será comercializado.

E então, ficou interessado nessa novidade ou tem mais dúvidas sobre como o GTIN pode beneficiar seu negócio? Deixe seu comentário abaixo e compartilhe suas experiências ou questionamentos com a gente!