As dívidas são tradicionalmente associadas à dores de cabeça. Isso porque dívida é sinônimo de débito, conta em aberto,, cobranças indesejadas e, por fim, algumas restrições que podem atrapalhar solicitações de crédito e possíveis novos contratos dentro de um negócio. 

Se um endividamento já é ruim para uma pessoa física, imagina para uma empresa. Logo, todos associam as dívidas com situações negativas. 

Mas o que pode ser uma surpresa para muitos é que existe um tipo de dívida “positiva”, também conhecida como endividamento saudável. Você sabe do que se trata? Entenda neste post!

Mas, afinal, o que é endividamento saudável?

De maneira simples, o endividamento saudável é uma forma de dívida que consiste em um investimento para a empresa. 

Por exemplo, uma solicitação de crédito para financiamento é uma dívida, mas um débito positivo para a empresa, já que futuramente pode se tornar uma aplicação que pode trazer lucro. Ou seja, não é apenas uma dívida por si só, mas uma perspectiva de crescimento para a empresa. 

É importante entender que as dívidas acontecem quando um empreendimento não possui recursos próprios e por isso precisa solicitar um crédito a terceiros, criando uma dívida com instituições financeiras, como bancos ou outras alternativas digitais, no caso de fintechs de crédito, por exemplo. 

Outro critério que faz uma dívida ser saudável é o planejamento que se atrela a ela. Se você precisa de crédito para sua empresa para investir em novos produtos ou na equipe, mas planeja como vai pagar o débito, temos neste caso um tipo perfeito de endividamento saudável. 

E planejar consiste em analisar o que precisa ser feito, quanto e quando será preciso pedir emprestado para determinado investimento, onde será feito o empréstimo (sempre levando em conta as melhores condições e menores taxas por comparação), como serão feitos os pagamentos e em quanto tempo pretende-se quitar a dívida. 

Portanto, o planejamento é parte fundamental para determinar se uma dívida vai ser saudável ou não para uma empresa, independentemente da atuação ou mesmo do tamanho dela. Depois de uma endividamento saudável bem planejado, é possível visualizar novas formas de investimento, crescimento e, por fim, o lucro para a companhia. 

Um endividamento saudável sempre deve trazer um retorno no futuro, em forma de lucro. Caso contrário, será apenas uma dívida normal. Concluindo, a principal diferença entre uma dívida saudável e uma dívida comum é o planejamento e quais os resultados que elas trarão para uma empresa.

Infelizmente, muitas empresas no país seguem um ritmo ruim de dívida sem planejamento e por conta disso, algumas delas acabam quebrando e fechando em seguida. Um estudo encomendado pelo Serasa Experian, apontou que 5,5 milhões de empresas se encontravam em uma situação de inadimplência em julho de 2019. 

Isso foi um recorde no Brasil, desde que o mesmo levantamento tinha sido feito em março de 2016. Em relação aos segmentos de atuação em que as empresa se encontravam, cerca de 48,4% eram companhias que ofereciam serviços de diversos tipos, 42,8% eram empresas que comercializavam produtos e 8,3% faziam parte da indústria. 

Endividamento saudável: verdades e mitos

Agora que você já entende o conceito de endividamento saudável, vamos citar alguns mitos e verdades sobre dívidas no geral. É importante perceber que esses mitos e verdades se aplicam também para o caso de pessoas físicas. 

Todo tipo de dívida é ruim — mito!

Como temos explicado em todo o post, não existem só dívidas ruins, desde que elas sejam bem planejadas e tragam um retorno positivo para a empresa. Dívida é um processo normal de qualquer negócio e uma necessidade.

É possível transferir uma dívida para outra pessoa (física ou jurídica) — mito!

Uma dívida está atrelada a um CPF ou a um CNPJ e, portanto, não é possível transferir a dívida de outra pessoa. 

É possível que o banco venda uma dívida — verdade! 

Sim, um banco pode vender uma dívida para terceiros. Neste caso, as instituições bancárias costumam vender um débito negativo para uma empresa de cobrança e recuperação de crédito. Assim, eles transferem as responsabilidades de cobrança para estas empresas, já que isto é um custo a mais para a instituição credora. 

É indicado pagar sempre as dívidas mais altas antes das mais baixa — verdade! 

Sim, a melhor opção na hora do planejamento de quitação de uma conta é priorizar o pagamento primeiro das dívidas mais caras. Caso o planejamento financeiro dê errado, as dívidas que sobram são as menores, com menos incidência de juros altos. 

Confira alguns exemplos de dívidas saudáveis que podem beneficiar o seu negócio

Depois de desvendar alguns mitos sobre as dívidas, vamos citar três exemplos de endividamentos saudáveis para seu negócio:

Crédito de incentivo a pequenos empreendedores

Existem alguns programas do governo de apoio à empresas que estão começando e que não dispõem de recursos para iniciar o negócio. Você pode conferir alguns no site do SEBRAE.

Financiamento de equipamentos e produtos para uma empresa

Se o seu pequeno negócio está em fase de crescimento, é possível que você precise adquirir produtos para melhorar a oferta de serviço ou operação da empresa. Por exemplo, se você tem uma loja de confeitaria pequena e deseja aumentar a produção, você pode precisar de equipamentos de linha industrial com maior produtividade, como batedeiras e fornos industriais que possuem maior capacidade de fabricação.

Créditos oferecidos por fintechs 

As startups financeiras chegaram para oferecer soluções inovadoras para empresas e pessoas. No caso de financiamento para médias e pequenas empresas, escolher uma fintech pode ser a melhor opção para o empreendedor, já que elas oferecem condições melhores de pagamentos e menores taxas de juros, se comparadas aos bancos tradicionais e ainda com segurança

Como um sistema de ERP pode te ajudar a identificar os tipos de dívidas no seu planejamento e gestão financeira

Para finalizarmos o post com uma dica extra, vamos explicar o conceito de um sistema ERP e como ele pode auxiliar na gestão de dívidas da sua empresa. 

Por definição, um ERP (Enterprise Resource Planning) significa um sistema integrado de gestão empresarial. Este tipo de sistema implica na concentração de todas as informações, processos, documentações de uma empresa em um único local.

Com isso, é possível prevenir erros e corrigir processos de uma empresa sem comprometer a sua produtividade. Os sistemas de ERP são armazenados em nuvem para um melhor controle e facilidade de integração com outros sistemas de uma empresa, por exemplo com marketplaces nos casos de e-commerces. 

No caso das dívidas, o sistema de gerenciamento vai ser crucial para determinar o andamento dela para se tornar ou não um endividamento saudável. O Bling oferece este tipo de serviço e você pode fazer um teste gratuito para entender melhor o sistema e enxergar como ele pode te auxiliar no negócios. Neste post, indicamos como o ERP pode auxiliar as vendas. Confira esta e outras dicas de gestão financeira no blog do Bling.

____________________________________________________________________

Este post foi escrito pela equipe da Gyra+, uma empresa que realiza financiamentos online para empreendedores digitais em busca de capital de giro. Faça uma avaliação no nosso simulador de empréstimo empresarial e descubra o crédito que cabe no seu negócio.