A Lei Geral de Proteção de Dados pessoais (LGPD), foi sancionada em 2018 pelo então presidente Michel Temer e entrará em vigor em agosto de 2020. O objetivo é regulamentar o tratamento de dados pessoais de clientes e usuários por empresas públicas ou privadas. Desta forma, é bom estar por dentro das normas para respeitar os princípios determinados pela Lei para a utilização destes dados. 

Para quem trabalha no e-commerce isso afeta diretamente o seu negócio, já que cadastros são dados de clientes (nome, e-mail, contato) que ficam armazenados nos sistemas e arquivos. 

Como funciona o tratamento de dados? 

Quando se fala em tratamento de dados, se entende todo o processo: cadastro, armazenamento, transferência e até a eliminação destes dados. Para isso as empresas deverão ter responsáveis de cada etapa, quem controla, quem opera e quem se encarrega pelo destino dos dados. 

Mesmo a Lei entrando em vigor em agosto deste ano, terá um processo de adequação às normas, mas todos já devem estar cientes delas. Até lá, as empresas vão se estruturando para colocar em prática as novas exigências, já que é um processo que requer muita atenção. 

Quais os cuidados que as empresas de e-commerce devem ter?

Para orientar as empresas no processo de adequação, algumas assessorias especializadas já estão surgindo. Quem trabalha no e-commerce deve atentar para contratar alguém que entenda das especificidades de comércio online. Isso requer investimento, por isso é bom ir preparando o seu negócio para aportar as decisões.

O primeiro passo, é a solicitação para a área de TI (própria ou terceirizada) uma avaliação quanto aos riscos e impactos com relação a dados. Após analisado o cenário, é preciso montar uma equipe para fazer o processo interno de averiguação. A empresa pode ir criando turmas de estudos sobre a Lei para chegar com a equipe preparada na hora da implementação das mudanças. 

A empresa que descumprir a Lei estará sujeita a pagar uma multa de até 2% de seu faturamento. 

Na prática, o que muda com a LGPD?

A Lei prevê diretamente a mudança quanto ao tratamento de informações pessoais e coíbe o uso indiscriminado de dados cadastrados. Principalmente para cadastros com aprofundamento de informações consideradas sensíveis: religião, raça, etnia, opção sexual, opinião política, entre outras. A grande diferença é que sempre que houver um cadastro, deverá estar especificado a finalidade da utilização daquela informação. 

Outro ponto que passa a mudar é que o cidadão, dono dos seus próprios dados pessoais, pode exigir a devida proteção de seus dados e também tem o direito de saber se aquela empresa possui seus dados em cadastro. 

Como adequar o meu negócio de e-commerce?

É importantíssimo atualizar a sua Política de Privacidade, proporcionando a transparência sobre o tratamento de dados pessoais. Os Cookies também podem melhorar a experiência de navegação do usuário na internet, permitindo o acesso mais facilmente à conteúdos.

Algumas páginas exibem uma mensagem em seu rodapé, sobre a utilização de Cookies por meio de link para a página de Política de Privacidade. Essa é uma boa forma de deixar claro para os usuários que o site colhe Cookies.

  • Cadastro de clientes: na maioria dos e-commerces, o cadastro para a compra é obrigatório e, por motivos de segurança, é importante deixar claro o porquê é necessário efetuar o cadastro. Para evitar fraudes, muitas lojas investem em parceiros como o Pagseguro ou empresas de proteção de sites como o E-bit. 
  • Lista de desejos: É uma forma muito utilizada para entender o perfil de compra do cliente, e é útil tanto para a empresa, quanto para o cliente. No entanto, é muito importante esclarecer sobre como funciona esse recurso em sua página. Isso também se aplica aos formulários, é fundamental passar a informar a finalidade e o tratamento que aqueles dados receberão. 
  • Pesquisa de informação: O cliente passa a ter direito a solicitação sobre a situação dos seus dados, podendo averiguar a finalidade e também o anonimato ou exclusão dos dados. A empresa terá o prazo de 15 dias para disponibilizar o retorno da solicitação. É importante que os e-commerces  criem protocolos para o caso de que algum cliente queira verificar seus dados.

Organizando a casa:

Dispor de um sistema de gestão acabará mantendo seus cadastros mais controlados e organizados. A ferramenta passa a se tornar um aliado no trabalho do dia a dia, aumentando a produtividade dos colaboradores e garantindo mais tempo para a equipe pensar no negócio de forma inteligente, criativa e estratégica. 

A partir disso, as ações de gestão ficarão mais simplificadas, como o controle do fluxo de caixa, o estoque, a logística, até mesmo a emissão de notas fiscais e boletos. Se ainda não é cliente Bling, faça um teste grátis por 30 dias e confira na prática os benefícios e as facilidades que um sistema de gestão ERP online, descomplicado e eficiente pode fazer pelo seu negócio.