A palavra “patrimônio” é de uso recorrente em nosso dia a dia. Entretanto, nem sempre a usamos de forma adequada, dado que existem diversos tipos de patrimônio; geralmente confunde-se esse conceito com bens, sendo que são completamente diferentes.

Um fato interessante sobre esse conceito é que, no Brasil, temos um tipo de patrimônio especial, chamado de afetação.

Todo patrimônio é composto por bens, direitos e obrigações. Os bens são itens que podem ser convertidos em dinheiro; os diretos têm por característica trazer dinheiro de forma indireta; as obrigações são as contas atreladas a uma empresa ou pessoa física.

Neste conteúdo, vamos nos aprofundar nesse conceito, inclusive apresentando os melhores métodos para acumular patrimônio – já adiantamos que tem tudo a ver com planejamento financeiro.

Vamos lá!

O que é patrimônio?

O patrimônio, indo direto ao ponto, é a somatória de todos os bens, direitos e obrigações associados a uma organização ou pessoa física. Na contabilidade, fala-se que é a junção do ativo com o passivo.

Os ativos são tudo que podem ser convertidos em dinheiro; os bens e os direitos positivos de uma pessoa – que pode ser física ou jurídica. Já os passivos representam as obrigações dessa pessoa, como a folha de pagamento de uma empresa, tributos para a União e assim por diante – também chamados de negativos.

Entretanto, vale observar que esse conceito também é estendido para além das pessoas, englobando inclusive costumes e cultura. Na próxima seção, vamos explorar um pouco mais esse tema.

Quais são os principais tipos de patrimônio?

Esta seção serve para tirar todas as dúvidas sobre os tipos de patrimônios que você pode ver por aí. Portanto, leia com bastante atenção!

Patrimônio bruto

O patrimônio bruto representa a soma dos ativos de uma pessoa. Dessa forma, são somados seus bens e direitos, de modo a contabilizar todos os seus ativos.

Em outras palavras, pode-se ter uma boa ideia do acúmulo de capital de uma pessoa através de seu patrimônio bruto. Mas essa métrica sozinha é bastante enganosa. É por isso que existe o patrimônio líquido.

Patrimônio líquido

Ao contrário do patrimônio bruto que apenas soma os ativos, o líquido desconta todos os passivos da pessoa. Dessa forma, é possível saber sua situação financeira com precisão, sem correr o risco de apenas analisar o bruto.

Uma pessoa que detém bruto de R$ 1 milhão pode parecer abastada, mas se a mesma tiver um passivo de R$ 2 milhões, sem dúvidas é uma pessoa à beira da falência.

Comentados esses dois tipos, a partir daqui vamos adentrar na Constituição Brasileira de 1988 para explicar os próximos itens.

Patrimônio material

O patrimônio material é, segundo a Constituição Brasileira, o conjunto de aspectos ligados a um povo, como seu modo de viver, modo de fazer e expressões. Além disso, a Lei também reconhece obras literárias, científicas e tecnológicas como patrimônio material.

Outro ponto importante diz respeito a objetos que representam a história do Brasil, que vão desde conjuntos urbanos até sítios arqueológicos.

Um exemplo de patrimônio material é o Cristo Redentor localizado no Rio de Janeiro.

Patrimônio imaterial

A definição de patrimônio imaterial é um pouco mais complexa de explicar. Para esclarecer o tema, recorremos à UNESCO, a qual traz a seguinte definição:

São patrimônios imateriais:

  • Saberes como ofícios, expressões culturais e artísticas.
  • Celebrações de qualquer espécie, como trabalhos coletivos, rituais religiosos, eventos de entretenimento e demais do gênero.
  • Todas as formas de expressão, sejam elas literárias, científicas, lúdicas e etc. também fazem parte desse patrimônio.
  • Locais de importância pública para um grupo ou comunidade, como santuários, mercados e praças.

Um ótimo exemplo de patrimônio imaterial é o Frevo, uma estilo de música e dança originário de Pernambuco.

Patrimônios vivos

Os patrimônios vivos destoam completamente do que vimos até agora. O motivo disso é que esse tipo de patrimônio engloba pessoas e grupos sociais inteiros relacionados a aspectos culturais do qual fazem parte.

Um exemplo bastante em pauta nos dias de hoje são as comunidades quilombolas, que existem desde o período colonial brasileiro.

Patrimônio natural

O patrimônio natural diz respeito a tudo que já existia em uma região antes do domínio do homem sobre a mesma. No caso, são dunas, mangues, florestas, rios e muito mais.

Existem diversos complexos espalhados pelo Brasil, que visam proteger esses patrimônios naturais. Um ótimo exemplo é o Pantanal e sua riquíssima reserva de água doce, uma das maiores do mundo. Da mesma forma, essa região possui grande variedade de animais que retratam a identidade local, outro aspecto importante desse tipo de patrimônio.

Patrimônio de afetação

Para encerrar esta seção, temos o patrimônio de afetação, que nada mais é que um recurso usado pelas construtoras para separar seus patrimônios das obras que gerenciam.

Como é composto o patrimônio?

Nesta seção, vamos retornar ao conceito de patrimônio do ponto de vista financeiro, deixando de lado a maioria dos itens apresentados na seção anterior. Faremos isso, pois, na maioria das vezes é nesse contexto que essa palavra é empregada.

Portanto, vamos comentar sobre bens e seus tipos, do que se tratam os direitos de uma pessoa e como definir suas obrigações.

Bens

Os bens são todos os itens que podem ser convertidos em dinheiro com facilidade. Além disso, eles possuem 4 subcategorias, sendo elas:

  • Tangíveis: é tudo aquilo que é palpável, que tem consistência, que é material. Dessa forma, um relógio caro é considerado um bem tangível, assim como são os carros e eletrodomésticos.
  • Intangíveis: são todos os itens que, embora não tenham consistência nem sejam materiais, ainda conseguem ser convertidos em dinheiro. Isso está intimamente relacionado com direitos autorais, domínios de internet e demais itens que têm valor de mercado.
  • Imóveis: são os itens fincados ao chão, e que se forem movidos serão danificados. Portanto, as casas e terrenos são ótimos exemplos de bens imóveis, dado que são difíceis de mover do local original.
  • Móveis: os itens que são movidos com facilidade são chamados de móveis. Em outras palavras, tudo que não é imóvel é móvel.

Direitos

Os direitos estão relacionados a um dinheiro que chegará no futuro, que a pessoa tem permissão para cobrar. Ou seja, uma venda a prazo é considerada um direito associado a uma empresa, dado que a mesma poderá cobrar seu cliente quanto ao pagamento.

Podemos dizer que são itens que podem trazer dinheiro indiretamente. Mesmo que em alguns casos não haja a troca direta pela moeda, ainda assim alguns direitos podem oferecer retorno financeiro indireto, como os títulos públicos e seus juros.

Obrigações

Como comentamos anteriormente, as obrigações também fazem parte do patrimônio de uma pessoa e precisam ser contabilizadas. 

Em resumo, chamamos de obrigações todos os compromissos financeiros que uma pessoa assumiu, que geram uma diminuição em seu patrimônio total.

Como aumentar o patrimônio?

Para finalizar este conteúdo, vamos apresentar algumas dicas interessantes para quem quer aumentar o patrimônio, no sentido financeiro da palavra.

Acúmulo de capital

A primeira dica é acumular capital. Em resumo, isso significa manter uma parte de seu lucro no caixa da empresa, de modo a aumentar seu poder de negociação e de compra.

Para a pessoa física, o acúmulo pode levar a vida toda, ainda mais se o indivíduo não conhecer métodos eficientes de aumentar sua renda e/ou poupar, como investimentos em ações e demais ativos presentes no mercado atual.

Aquisição de imóveis

Uma ótima maneira de aumentar seus bens é comprar imóveis, os quais tendem a valorizar acima da inflação, além de serem itens úteis para diversos fins. No momento da aquisição desse bem, pode ser que o comprador não tenha um objetivo definido para ele, sendo o valor dessa aquisição apresentado em um momento futuro.

Um exemplo clássico disso é o valor de terrenos há 50 anos e a cotação atual. No passado, a terra quase não valia dinheiro, mas quem escolheu comprar imóveis no passado tem um excelente patrimônio atualmente.

Compra de equipamentos de produção

Outra excelente forma de aumentar o patrimônio é comprar equipamentos de produção, os quais conseguem gerar valor através do trabalho. Esses itens geram valor e trazem retornos, entregando muito mais que o investimento inicial para quem os comprou – se bem usados -, trazendo um incremento natural no patrimônio de seu dono.

Produção intelectual

Por fim, temos a produção intelectual, da qual poucas pessoas conhecem o verdadeiro poder. Em resumo, existem obras literárias que atravessam séculos sem que percam o valor.

No caso, isso indica que o autor original continua recebendo seus direitos autorais até os dias de hoje, através de seus descendentes.

A produção intelectual também engloba a área científica. Desenvolver um produto e registrar patente também retorna ganhos para o detentor da patente, que também pode valer por muitos anos.

Quer ajuda para administrar seu patrimônio? Conte com a Bling!