O GTIN – Global Trade Item Number – é a parte numérica do código de barras e sem ele esse processo não tem validade. Portanto, é preciso atenção e cuidado sobre o seu entendimento.

E a nossa missão é te ajudar a descomplicar a sigla, passando pelo seu conceito, os principais benefícios, todos os seus tipos e como fazer para aderir ao GTIN.

LEIA TAMBÉM: Integração Marketplace e E-commerce: quais as vantagens?

O que é GTIN?

GTIN significa Global Trade Item Number, traduzido para Número Global do Item Comercial. Criado e administrado pela GS1, o código aparece abaixo do código de barras, estamos falando na parte numérica.

É amplamente utilizado no varejo físico para identificação de produtos e no digital para estabelecer a singularidade do produto. Sua forma mais comum é de 13 dígitos, mas pode ser formado também por 8, 12 ou 14 dígitos, vamos exemplificar mais pra frente.

Benefícios

Seus principais benefícios são:

  • É requisito para ingressar a plataformas de vendas online, como os marketplaces;
  • Terá muito mais facilidade para encontrar os produtos em sites de busca e comparados de preço online;
  • Maior precisão nas informações dos produtos;
  • Estratégias mais efetivas de marketing, com controle de todos os produtos é possível conhecer os que mais tem saída e os que não. Assim é possível traçar estratégias específicas para cada.

Tipos de GTIN

Existem 4 formas de cadastro do código, exemplificados em cada modelo abaixo:

Modelo Código GTINFonte: https://www.gs1br.org/

Quem é o responsável pela atribuição do código?

Para utilizar o GTIN é preciso que os dados dos produtos estejam cadastrados no CNP – Cadastro Nacional de Produtos, que é mantido pela GS1 Brasil – Associação Brasileira de Automação.

Para isso, deve-se associar ao órgão, tarefa simples o online. Basta acessar e seguir os passos: https://goo.gl/9b2LXX.

Como o GTIN ajuda o E-commerce

Quando falamos de E-commerce, ter a precisão de dados de cada produto vendido e facilidade para encontrá-los nos sites de buscas e marketplaces é um ganho e tanto.

Para ter uma ideia, a plataforma CNova já exige o GTIN no cadastro de novos produtos, a Amazon solicita que seja utilizado para o maior controle de sua base e o Google Shopping tornou obrigatório o uso desde maio de 2016. Constatando aumento de até 20% em suas taxas de conversões.

Portanto, é muito importante investir em ações que tragam ganho para o E-commerce, um caso disso é a utilização do código GTIN.

Tipos de GTIN suportados pelo Bling

Dentro do Bling, no cadastro de produtos, a imagem aparece somente para GTIN 13 e nas telas que permitem busca por GTIN será considerado apenas este.

Porém, para emissão da nota fiscal o software considera todos os tipos: 8, 12, 13 e 14.

Conclusão

Como mostramos o GTIN tem extrema importância para as empresas que desejam criar um código de barras, lembramos que a numeração é controlada e atribuída pela GS1 de forma padronizada. Portanto, é aconselhável auxílio de um contador. Para assim encontrar todos os esclarecimentos e saber exatamente se é necessário a criação para a sua empresa.

Mais informações sobre o processo de cadastro de produtos podem ser encontradas no FAQ da própria GS1: https://goo.gl/PqWoiJ

Posts Relacionados

Deixe um comentário