Ser Microempreendedor Individual é uma forma de formalizar diversas atividades de profissionais liberais no Brasil. Uma vantagem da modalidade também é poder ter seu negócio sem precisar ter faturamento ou giro de caixa. A categoria passou a vigorar em 2009 e hoje são mais de 8 milhões de pessoas que empreendem neste formato. O cadastro é simples e a taxa paga mensal também é acessível para que o empreendedor possa crescer e se destacar no mercado. 

Mesmo sendo um negócio pequeno, toda a organização financeira é bem vinda, apesar de a contabilidade do CNPJ MEI ser bastante simples, podendo ser feita pelo próprio empreendedor, dispensando o gasto extra com contador. 

Dicas para fazer a contabilidade 

Caso o microempreendedor puder contar com a ajuda de um contador, sempre será bem vindo, já que os processos financeiros muitas vezes são novidade, e muitas vezes é comum que – por não contar com o auxílio de um profissional – acabem pagando o percentual máximo no imposto de renda ou errem no preenchimento e envio das declarações.

Alguns cuidados necessários são importantes quando se tem um CNPJ, um deles é fazer a organização da empresa, separando as contas da pessoa física e da pessoas jurídica. Para te ajudar a simplificar alguns processos, o Bling, que é um sistema de gestão ERP online, auxilia no gerenciamento financeiro, cadastro de clientes, suporte especializado, emissão de notas fiscais, boletos bancários, entre outras funções. Dispor de um sistema de gestão também facilita na hora de comprovar renda e justificar gastos apresentados no Imposto de Renda. 

Especificidades da categoria 

A contabilidade MEI exige alguns cuidados, como o preenchimento do Relatório Mensal das Receitas Brutas. Até o dia 20 de cada mês, para manter o controle sobre o faturamento, o processo é extremamente simples e pode ser realizado 100% online, pelo Portal do Empreendedor.

Esse processo é importante para manter a organização inclusive para a hora de enviar a Declaração Anual Simplificada (DASN-SIMEI). Esse é o momento que todos os relatórios são reunidos para chegar a um faturamento total. Por lei, esse total não pode ultrapassar o limite de R$ 81 mil, que caracteriza a formalização como MEI. 

O MEI no e-commerce 

A categoria tem crescido muito no meio online. Lojas virtuais são formatos interessantes para quem quer começar a vender no e-commerce. Alguns marketplaces não oferecem planos especiais para MEIs, por Isso porque muitas vezes exige-se a emissão de nota fiscal com chave eletrônica, opção não disponibilizada para quem é dessa categoria.

Mas é possível sim empreender como MEI dentro do e-commerce, principalmente para quem já tem uma loja física e quer escoar o estoque. 

Sistema de gestão online 

Como já citamos, um sistema de gestão é o primeiro passo para quem quer organizar seu negócio e facilitar seu processo de trabalho. 

No Brasil o cenário do e-commerce é interessante e cada vez mais promissor para empreendimentos digitais, por isso as perspectivas de crescimento do setor continuarão altas por muito tempo. O retorno de investimento acontece em médio prazo e as chances de negócios se multiplicam com pequenas ações diárias. São muitos negócios brasileiros lutando pela boa reputação das suas lojas e marcas de venda online.Quem deseja se aventurar no e-commerce não pode deixar de conhecer o Bling!, um sistema de gestão online que, entre suas funções de gerenciamento como controle de estoque, emissão de notas fiscais e boletos, fluxo de caixa e operações logísticas, também integra a sua loja virtual aos maiores marketplaces do mercado.

Faça um teste grátis por 30 dias e experimente as vantagens de organizar seu negócio de forma simples e efetiva!