Dentro do mundo corporativo existem muitos termos que transitam entre os gestores e os profissionais de marketing. O payback é um deles, mas apesar de ser um termo estrangeiro ele já é bem conhecido e tem um significado simples para todos que querem empreender. 

O payback nada mais é do que a estimativa de tempo que a empresa demora para retornar os investimentos feitos. E isso é uma conta que deve estar bem calculada pelo gestor, pois isso demonstrará os sucessos e os fracassos dos negócios muito rapidamente.

O que é de fato o payback?

O termo corresponde ao período no qual os resultados líquidos acumulados da operação do empreendimento equivalem ao investimento. Ele significa, em tradução livre, ‘retorno’, atrelado ao investimento feito. 

É essencial para a saúde financeira de toda a empresa. E quando falamos em retorno de investimento, não é somente quando se abre uma empresa, mas sim, toda a vez que se investe em algo se aplica o payback, o cálculo do período de retorno de investimento em um projeto.

Ele é importante pois dá ao gestor uma estimativa de tempo que vai levar até que ele recupere a aplicação inicial. Vale ressaltar que esse período pode variar bastante dependendo do tamanho da empresa e do tipo de investimento feito. De modo geral, o retorno acontece dentro de alguns meses ou anos.

Outros indicadores relacionados ao payback e algumas vantagens

Entre os indicadores que estão diretamente relacionados ao payback aparecem o ROI (Retorno sobre Investimento), o VPL (Valor Presente Líquido) e o TIR (Taxa Interna de Retorno). 

Entre as vantagens, como toda estratégia, o payback apresenta fórmula simples, fácil de ser aplicada e oferece uma ideia de nível de liquidez do negócio e do risco que pode correr. 

Ele é muito utilizado principalmente em negócios arriscados e também em projetos de vida limitada, a fim de não dar apenas gastos e acabar não chegando nos lucros, ocorrendo prejuízos.

Em todo o caso, o cálculo é fundamental em épocas de crise econômica ou instabilidade financeira, pois aumenta a segurança na aposta nos negócios e faz o investimento ser mais sólido. Mas o modelo também apresenta algumas desvantagens como em projetos de longa duração, pois não considera os fluxos de caixa produzidos após o ano de recuperação.

Como calcular o payback?   

O cálculo envolve uma fórmula simples, mas que deve ser adequada ao planejamento específico conforme as variáveis. 

É preciso colocar todos os custos relacionados ao investimento, o que nem sempre é fácil e também devem estar incluídos os custos de equipamentos, funcionários, despesas administrativas e operacionais relacionadas.

Após isso, define-se um resultado médio mensal de fluxo de caixa desejado, considerando um período determinado. Dividindo o investimento por esse resultado obtêm-se o payback do projeto.

Vale destacar que projetos novos geralmente têm resultados negativos nos primeiros meses, mas com a soma compensatória dos meses que seguem dão resultado positivo ao final. 

Assim que o resultado foi atingido é sinal que o payback foi alcançado. Isso também vale para investimentos em equipamentos ou ampliações, por exemplo. E caso queira saber o retorno em anos, basta dividir o valor do investimento inicial pela economia de um ano.

Tipos de payback

Existe uma divisão entre dois tipos de payback: o nominal (simples) e o com valores atualizados (descontado). O simples já vimos acima, e ele é rápido para medir o grau de risco de um investimento. Já o payback descontado utiliza a taxa de desconto na sua fórmula, ou seja, atualizando valores nominais, o prazo para retorno aumenta um pouco.

É fundamental reservar um dinheiro para as necessidades que irão surgir até o negócio tomar forma, e utilize o payback como um aliado para escolher os melhores investimentos.

Gerando mais resultados

Se a premissa para conseguir mais resultados é subir cada vez mais as metas, vale ter tudo super bem organizado. Desde fazer um inventário com um levantamento de receitas e despesas da empresa, até atualizar periodicamente o fluxo de caixa. Também é preciso ser realista e deixar uma margem de respiro para a possibilidade de perdas (inadimplência ou atrasos). 

E acima de tudo, acompanhe a movimentação do seu negócio, a fim de identificar possibilidades e considerar novos projetos.

Para acompanhar de forma mais inteligente e com otimização de tempo, nada melhor do que um sistema de gestão online como o Bling! Com ele é possível monitorar todas as entradas e saídas da empresa, identificar problemas, além de emitir notas e boletos de forma automatizada. 

O retorno de um negócio inicia, sem dúvida, com a sua boa estruturação e gestão, e nisso o Bling é seu aliado. Se ainda não é nosso usuário, faça um teste grátis por 30 dias e confira na prática essa transformação no modo de gerir seu negócio.